sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Descubra As Diferenças

Diário Económico, 30/11/2012

Depois de ler este título fantástico, mentiroso (perguntem às pessoas quanto gastaram, só em manuais, no início do ano lectivo, entre outras coisas...) e nada tendencioso, veja o vídeo abaixo...

A seguir, veja lá o que verdadeiramente se deveria comparar entre os dois países, descubra a quem e o que se paga em Portugal, mas não se paga na Suécia.




terça-feira, 27 de novembro de 2012

O Regresso Da Múmia?




As claques do PSD e PP, também conhecidas por bancadas parlamentares, aprovaram hoje o mais ignominioso Orçamento da história da Democracia.

Resta-nos esperar que o inquilino de Belém se desembrulhe a tempo, e peça a sua fiscalização preventiva ao Tribunal Constitucional.

Pobres de nós.


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Meias-Lecas


O que têm em comum  Humphrey Bogart e o rei D. Carlos I?

É simples.

Ao pé das respectivas, eram uns meia-lecas.

Em Casablanca, Bogart foi obrigado a fazer as cenas com Bergman em cima de estrados convenientemente escondidos das câmaras, ou recorrendo a almofadas quando estavam sentados lado a lado.

D. Carlos, dada a altura de D. Amélia, tirava as fotografias com ela sentada.




   

domingo, 25 de novembro de 2012

Downsizing




Ramalho Eanes, antigo Presidente da República e personagem central dos acontecimentos de 25 de Novembro de 1975, considerou hoje "inaceitável e inadmissível" que haja pessoas, sobretudo crianças, a passar fome em Portugal.

Passados 38 anos sobre o 25 de Abril, no princípio do séc. XXI, é realmente inaceitável e inadmissível que haja fome em Portugal.

Neste mesmo dia, Pedro Passos Coelho encerrou o congresso do PSD Madeira, no Funchal, em que voltou a defender a necessidade das medidas de austeridade:

- Posso bem com aqueles que pensam diferente de mim e posso bem com  aqueles que acham que estamos a seguir um caminho de austeridade excessiva.

Calculo que não passe fome.

Diz ainda a luminária que quem mais contesta o Governo é quem mais privilégios tinha antes da austeridade. 

É claro.

Os gajos que estavam em frente à Assembleia da República, nomeadamente os que apedrejavam os polícias, eram todos banqueiros, administradores, gestores, etc.

Se não querem fazer um downsizing no lifestyle, emigrem.

Ou...

Se calhar...

Podiam fazer um upgrade no brainpower.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O Rei Dos Gazeteiros


- Oh querido, se não disseres mais 
nada hoje, já dá para o jantar.



Nada me parece mais apropriado.

Tentando ser irónico, só tentando, deixou um pedido especial aos jornalistas: 

- Se forem inquiridos digam que eu estive aqui mas não disse absolutamente nada...

Vá lá, sempre se mostrou resignado à objectividade jornalística.

De qualquer forma, não ter dito absolutamente nada, não me parece, nem grande notícia, nem surpreendente.

Mas percebe-se o esforço. É que, segundo ele:

- ... o silêncio do Presidente da República é de ouro...

Ah, prontús, tá tudo explicado, o homem tem andado a poupar, afinal de contas, já tinha explicado que a sua parca reforma não lhe dava para as despesas.



Brecha Da Lei




domingo, 18 de novembro de 2012

Uma Imagem Vale Mais...


Eis a melhor apreciação sobre a forma como a comunicação social cobriu a greve geral.

Lembram-se?

Houve uma greve geral.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Chéguéi



O fantasma de Boliqueime fez ontem uma breve aparição (há quanto tempo!), para avisar que tinha decidido trabalhar, em dia de greve geral.

Obrigado.

Agradecia que também o fizesse nos outros dias.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

A Todos Os Ordinários




Ora bem, agora que já se está a fazer o balanço da greve, vamos lá a saber...

O qu'é que se passa?

Já ouviram falar do Estado Social?

Ele foi sendo progressivamente criado na Europa Ocidental, a partir de meados do século passado e está agora em declínio.

Esta é, aliás, uma das causas principais, senão a principal, dos movimentos de contestação social, que se verificam actualmente  na Europa e que deram origem à greve geral de hoje, em Portugal, Espanha, Itália e Grécia, com manifestações em vários países europeus, num total de 23.

O declínio deste Estado Social, decorre do processo de globalização, que levou as empresas a deslocalizarem a sua produção para outras paragens (o dinheiro não tem pátria), por vezes nem muito longínquas, onde as preocupações sociais são mínimas, ou  até inexistentes, o que lhes permitiu pressionar, até limites inimagináveis até há bem pouco tempo, os trabalhadores da Europa Ocidental (sobretudo do Sul).

Para melhor se perceber e ilustrar  os efeitos desta política, vamos a uma história, factual, sobre os emigrantes portugueses em França, nos famosos anos sessenta.

Fugidos da miséria nacional, passando a fronteira a salto (clandestinamente), sem papéis e a viver nos bidonville (bairros da lata), trabalhavam para lá do horário normal e aos fins-de-semana, ficando ainda agradecidos pelos pequenos bónus que os patrões lhes pagavam, irrisórios em relação às horas extraordinárias que lhes seriam devidas, mas incomparavelmente mais do que aquilo que conseguiriam em Portugal.

Em larga, larguíssima escala, é o que se passa com a globalização, que não proveu a um equilíbrio entre as condições de trabalho nos diferentes países, mas à desregulação selvagem das regras que tinham permitido a construção do Estado Social.

É que e passo a citar:

o "trabalho (...) deve ser considerado, em teoria e na prática, não mercadoria, mas um modo de expressão direta da pessoa humana. Para a grande maioria dos homens, o trabalho é a única fonte dos meios de subsistência. Por isso, a sua remuneração não pode deixar-se à mercê do jogo automático das leis do mercado; pelo contrário, deve ser estabelecida segundo as normas da justiça e da equidade, que, em caso contrário, ficariam profundamente lesadas, ainda mesmo que o contrato de trabalho fosse livremente ajustado por ambas as partes.

(...)


O Estado, cuja razão de ser é a realização do bem comum na ordem temporal, não pode manter-se ausente do mundo económico; deve intervir com o fim de promover a produção de uma abundância suficiente de bens materiais, "cujo uso é necessário para o exercício da virtude"; e também para proteger os direitos de todos os cidadãos, sobretudo dos mais fracos, como são os operários, as mulheres e as crianças. De igual modo, é dever seu indeclinável contribuir ativamente para melhorar as condições de vida dos operários.

Compete ainda ao Estado velar para que as relações de trabalho sejam reguladas segundo a justiça e a equidade, e para que nos ambientes de trabalho não seja lesada, nem no corpo nem na alma, a dignidade de pessoa humana.".

E quem diz isto?

Um revolucionário, barbudo e sanguinário que quer acabar com o mundo à bomba?

Um anarquista cabeludo, num delírio de libertinagem?

Um político sectário, no fervor propagandístico de uma campanha?

Não.

Não é nenhuma destas personagens de caricatura.

É um Papa.

É verdade.

É o Papa João XXIII, na Encíclica Mater et Magistra (se duvidam, cliquem na encíclica e vão confirmar), curiosamente dirigida "AOS VENERÁVEIS IRMÃOS PATRIARCAS, PRIMAZES, ARCEBISPOS, BISPOS E OUTROS ORDINÁRIOS DO LUGAR".

E esta, hein?

O malandro do Papa...

Inda era gajo para fazer greve...




GREVE GERAL

terça-feira, 13 de novembro de 2012

A Malandragem




Amanhã é dia de greve geral.

Em Portugal, Espanha, Itália, Grécia e com manifestações em vários pontos da Europa, abrangendo um total de 23 países.

A malandragem está por todo o lado.

E o que é que a malandragem quer?

Têm um lema que é:

"Pelo emprego e a solidariedade  na Europa, não à austeridade".

Mau... 

A coisa tá-se a complicar. 

Então não trabalham porque querem trabalhar?

Querem emprego?

Deve ser coisa de velhos rezingas, daqueles da política deles ser o trabalhinho e coiso e tal...

Ai não?!...

Também estão desempregados?

E os novos também?

Ah, isso é porque nãos lhes apetece...

Ai também não?!

É quanto, a taxa de desemprego jovem?  27% no Chipre, 55,6% na Grécia,  35% na Itália, 54% na Espanha  e 37,4% em Portugal?

Pois...

Mas aposto que se tivessem emprego, aproveitavam logo para fazer greve.


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

domingo, 11 de novembro de 2012

Ele Vem Aí...



A divulgação de um vídeo sobre Portugal, foi proibida na Alemanha, por razões políticas?!

O filminho, que o professor Marcelo Rebelo de Sousa (ex-líder do PSD, apesar de ter afirmado que o não seria, nem que Cristo descesse à Terra - ninguém o vê por cá há pelo menos 2000 anos, a Cristo, claro) anunciou e promoveu, contou com a colaboração do blogger dirigente do PSD Rodrigo Moita de Deus.

E o que se diz na  película em causa?

Que o povo português trabalha mais horas que o povo alemão.
A sério? Mas não foi este governo, liderado pelo PSD, que aumentou o horário de trabalho?

Que o povo português paga mais impostos que o povo alemão.
A sério? Mas não foi este governo, liderado pelo PSD, que nos obriga e obrigará a pagar um enorme aumento de impostos?

Que o povo português tem menos dias de férias e feriados que o povo alemão.
A sério? Mas não foi este governo, liderado pelo PSD, que diminuiu os dias de férias e eliminou feriados?

Confuso, não é?

Pelos vistos, o PSD sofre de dupla personalidade, ou então, foi tomado por perigosos revolucionários e anarquistas radicais.

Será que Cristo vai descer à Terra?



quinta-feira, 8 de novembro de 2012

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Carreta





A pastorícia sempre foi uma actividade de grande importância em Trás-os-Montes.

Presente desde tempos imemoriais, sobrevivem ainda a custo algumas práticas que em breve desaparecerão.

No Verão, por exemplo, as ovelhas eram encerradas na corriça (curral) ou em cancelas (recinto fechado para guardar e recolher o rebanho no campo, utilizadas para que o gado estrumasse o terreno e/ou para  a recolha e pernoita). Quando ficavam nas cancelas, o pastor dormia aí perto, abrigado numa "carreta", com cobertura de chapa e zinco.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Habemus Presidente?


- Portugal?! Nã, na tou a ver... Sabe que, dada 
a minha parca reforma, tive que cortar na 
medicação e ando um bocado esquecido.



As eleições presidenciais nos EUA realizam-se amanhã.

É bom saber que ainda há países com presidentes.

Por cá, tenho uma vaga ideia de em tempos remotos ter havido um. 

Mas deve ser a idade a atraiçoar-me a memória.

E... 

Olha... 

Não sei porquê... 

Veio-me à ideia a imagem de um pastel... 

De Belém.

domingo, 4 de novembro de 2012

Matreirices


Lá foi o trasgo  até Trás-os-Montes.

Por cá, parece que continua tudo muito ocupado com aquela coisa da refundação.

Eu, não por acaso, também ando um bocado refundido. E conheço muita e muito boa gente, também bastante refundida, não só com essa coisa da refundação, como com a própria fundação original.

Pelo menos no campo, onde também há muito bicho matreiro, sempre se encontram alguns com ar simpático.