quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Jóias Por Robalos




Por amor de Deus...

Foi um puro engano...

A mulher julgou que as jóias eram robalos.

Emigração Radical

versão  pós-moderna,  inconformista  e
radical, da passagem da fronteira a salto

Por muito que se queira passar a quadra natalícia na observância de um espírito cristão, há sempre um marmanjola que nos vem tentar...

Atão não é que uma das luminárias nacionais, de seu nome Avelino de Jesus, se lembrou de vir debitar umas ideias de pasmar sobre a emigração?

Passo a citar:




Se quiserem adoptar também uma atitude radical e ler o resto, é só clicar no texto.

Curiosamente, o selecto autor, que tem estado ligado toda a sua vida a faculdades de gestão e economia, não se lembrou de esmiuçar as razões que nos trouxeram a esta situação, baralha necessidade e ambição, confunde incentivar com apoiar e não parece sofrer de grande desconforto.

É um radical inconformado.

Infelizmente, não consta que vá emigrar.


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O Sobreiro E A Bananeira




Olha, olha...

Vá lá...

Depois de tanta conversa de vivermos acima das nossas possibilidades e da falta de produtividade, ou do excesso de feriados e das ditas poucas horas de trabalho e de nos acusarem de dormir à sombra dela, ainda julguei que fossem escolher como símbolo a bananeira...

E olhem que isto se anda a parecer muito com uma república das bananas...

E de bananas.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Mais Uma


Desta vez não é do mesmo sítio, é de Bruxelas.

RUA III



A bem da verdade, o homem tem razão e não recomenda nada que ele próprio não tenha feito.

Depois de se ter candidatado à liderança do PSD e ter perdido, inviabilizando um empregozito como primeiro-ministro, lá teve que voltar lá para fora a lutar pela vida.

A única diferença é que, como pessoa avisada que é, ele emigrou ainda antes de ter perdido o empregozito de primeira solução, já estando na segunda solução previamente à primeira.

Ou seja...

Antes de o ser já o era e continua a ser, tendo-se prevenido para não deixar de o ser.

RUA II


E até porque com a criação duma agência, sempre se evitava que as pessoas que para lá fossem tivessem que emigrar.

RUA


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Seis Sexy Meses




Em finais de 2008, caiu o Carmo e a Trindade, quando a  Manuela botou faladura e se perguntou, se "não seria bom haver seis meses sem democracia", para pôr "tudo na ordem".

A "velha", como simpaticamente lhe chamava a rapaziada anteriormente revoltada com as campanhas negras, perdeu as eleições legislativas e, logo após, foi substituída na liderança das suas hostes pelo Coelho, que perdeu o concurso Sexy 20 Platina, do Correio da Manhã, mas venceu no partido.

Embora tivesse perdido o concurso, o jovem láparo ganhou de novo, nas legislativas seguintes e parece determinado em resgatar a ideia da sua antecessora, em edição revista e aumentada. Entre atropelos vários, cortes ilegais de vencimentos, aumentos descarados e a eito, eliminação de feriados, aumento das horas de trabalho, alienações de património público, atribuições escandalosas de subsídios e, para fechar com chave de ouro, convites aos indígenas para que se ponham a mexer, bazem e lhe desamparem a loja, já lá vão os tais seis meses... Mas parece que estão muitos mais a caminho.

Volta Manuela, tás perdoada.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Assuntos Para Lamentares


O ministro dos Assuntos Para Lamentares, Miguel Relvas, afirma orgulho nos portugueses que foram para Moçambique.

Já eu, em relação a muitos que por cá ficaram, o dito cujo  incluído, não sinto nenhum.


Mala De Cartão




Parece-me bem.

Até porque, se formos honestos e objectivos, é uma prática comum entre os políticos:

- o Guterres emigrou para as Nações Unidas;

- o Durão Barroso emigrou para a Europa;

- o Sócrates emigrou para França;

- o Dias Loureiro emigrou para Cabo Verde;

- a Fátima Felgueiras esteve emigrada no Brasil...

A lista é infindável.

Interrogo-me para onde emigrará o futuro ex-primeiro-ministro.

Talvez para a Austrália. Ouvi dizer que há por lá muito coelho e tem a vantagem de ficar nos antípodas.


domingo, 18 de dezembro de 2011

What's Up Doc?


O Governo reuniu hoje.

Tentou reflectir, talvez se tenha esforçado, não deve ter suado, dada a temperatura e o facto de não se ter usado gravata e lá definiu os quatro principais pilares das reformas estruturais a realizar em 2012, com o objectivo de combater a praga do desemprego.

Reuniram-se informalmente, ou seja, como já disse, sem gravata. O que quer dizer que no ministério de Cristas, não há nada formal posto que anda tudo sem gravata (como não é usual as senhoras usarem gravata, não faço ideia do que deixam de usar qunado pretendem ser informais).

Os quatro pilares de combate ao desemprego são: reforço da concorrência e da competitividade, articulação entre Estado e economia, valorização do capital humano e confiança.

Ora aqui está um programa de medidas concretas e palpáveis. É mais ou menos o equivalente a dizer que todos devemos ser bonzinhos, ajudar as velhinhas a atravessar a estrada e não roubar ou espancar ninguém. Fica bem. Não resolve nada, mas ninguém nos pode acusar de não querer resolver. Se as maldades persistirem, velhinhas forem rasteiradas na passadeira e transeuntes assaltados ou agredidos, a culpa não é nossa, é dos outros.

Apesar de tudo, o nosso (t'arrenego) primeiro sempre vai adiantando algumas iniciativas mais pragmáticas, por exemplo, emigrar. Afinal, é uma actividade de tradição no nosso país e sempre pode dizer que contribui para a preservação de algum património, cultural porque quanto ao material, estamos falados.

E reuniram-se a um domingo para isto...

Na próxima vez que se sintam tentados a outra do género, vão ao futebol, por muito mal que lá se portem e vociferem, sempre insultam menos pessoas.

Frase Da Semana




Pedro Nuno Santos, vice-presidente do grupo parlamentar do PS


Ou seja...

Se forem do Norte, ponham-se finos e não paguem aos boches.

Se forem do Sul, ponham-se imperiais e invadam a Alemanha.

Mai nada.



sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

É Uma Injustiça


Morreu Carlo Peroni, um dos criadores de Calimero, o pinto que passa a vida a queixar-se de ser vítima de perseguição.

Por cá também há criadores com pinta, os pintos é que nem por isso.



sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Mais Uma


Do mesmo sítio.

Aquela fraga coberta de musgo, que parece ter dois olhos, ali no lado direito, vela por um dos meus locais preferidos.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Ignoramus Et Ignorabimus



O Álvaro

Que não é Cunhal...

Nem comunista...

Julga que é ministro...

Mas...

Não percebe nada disto.


A ignorância, para não lhe chamar outra coisa, que muito provavelmente é, do Álvaro é assustadoramente confrangedora.

É colega daquele que andava de Mota e se passeia agora num Audi A7 de 86000 €. E se diz ministro da Solidariedade.

É colega daquele ministro e daquele secretário de Estado que recebiam um subsídio de alojamento de cerca de 1150 € por mês, apesar de terem casa em Lisboa.

É colega daquela luminária que acha que em Portugal o salário mínimo até nem é realmente baixo.

Porreiro pá.


sábado, 3 de dezembro de 2011

TAP

(fase preparatória do estudo do anteprojecto
da eventual futura companhia aérea nacional)

"TAP eleita melhor companhia aérea da Europa. Companhia portuguesa levou a melhor sobre 30 outras companhias."

Vai daí...

"Primeira revisão do resgate português pela 'troika' diz que a TAP é para tentar vender ainda este ano."

Não será possível fazer antes uma quermesse e rifar estes manguelas?

Pigs In Space




2012?!

Portugueses, concidadãos e amigos, já lá estamos há um buereré de tempo.


terça-feira, 29 de novembro de 2011

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Aos Costumes Disse Nada


Ontem foi dia de greve geral.

Ao putativo primeiro ministro do país não se lhe ofereceu dizer nada.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Chapéus Há Muitos



"Vocemecê já me deve um dinheirão.
20 macacos a 20 macacos, são 400
macacos, com mais 180 macacos... 
O sr. dr. sempre me saiu um macacão."


Carlos Oliveira, secretário de Estado do Empreendedorismo (?!)

Chapéus há muitos e macacos também...

domingo, 20 de novembro de 2011

Crisis? What Crisis? III


Diz Passos Coelho ao Ministro das Finanças:

- Que tal enviarmos as Boas Festas a todos os contribuintes, desejando um Próspero Ano de 2012?

Crisis? What Crisis? II




Coitada!

Mas recebe 7.255 euros de pensão por dez anos de trabalho...

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah!

E mantém o direito a ajudas de custo, no valor de 2.133 euros...

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah!

Assunção Esteves pôde reformar-se muito cedo, aos 42 anos: eram necessários 12 anos de serviço, independentemente da idade, ou  40 anos de idade e 10 anos de serviço.

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah!

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Oh Cristas

Equipe da empresa inglesa trabalhando bem à vontade
(reunião de trabalho no Ministério da Agricultura;
qualquer semelhança com a realidade é pura
coincidência, se não fosse, em vez de maçãs
estavam ali uns bolinhos deliciosos)


Assunção Cristas desvalorizou hoje a subida do IVA na alimentação para bebés.

E porquê?

Porque as alturas de crise são alturas para "voltar a dar fruta em estado natural às crianças".

Esta é a senhora que descobriu que prescindir da gravata permite descer em 2º C a temperatura do ar condicionado.

Felizmente, não se lembrou na altura de prescindir das roupas para que, num estado muito natural, se poupasse ainda mais na electricidade.

Gráçás à Déus, né póvão?


quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Vampiros



Chegou o recibo do malogrado subsídio de Natal.

Já muito debilitado, coitado.

Vem já moribundo.

Chega nas ânsias da morte.

Desconfio que é o último que verei.

Vai passar à minha área, à História.

Vou guardá-lo como vestígio de uma era remota.

Paz à sua alma.

Que descanse em paz.

O papelito, que o dinheirito não terá tempo de repousar.

O que me satifaz, evidentemente, é que pelo menos a Troika ficou contente, porque acha que é uma ideia boa (esta ainda só é mais ou menos boa, porque boa, boa, é cortar mesmo os dois subsídios).

Segundo ela, a Troika, outra ideia boa é cortar também nos salários do privado.

Claro.

Não esqueçamos que estamos num país em que, segundo o governo, o salário mínimo até nem é realmente baixo.

Portantús... que diferença nos faz um subsídio a mais ou a menos?

Ou dois?

É só  ideias...

Também me ocorrem algumas...

sábado, 12 de novembro de 2011

Sofisma




Segundo Aristóteles (sim, é também uma referência à actual situação grega), um sofisma é um argumento que não o é, embora o pareça.

Um exemplo popular é aquele que conclui que determinada pessoa é filha de um cão: tens um cão, o cão foi pai de cachorrinhos, o cão é pai, o cão é teu, logo o cão é teu pai.

Vem isto a propósito da manifestação de hoje e do pensamento sofístico de um dos seus principais promotores, Passos Coelho.

Dizia ele, antes das eleições que o guindaram ao poder que era necessário sair deste ciclo de empobrecimento da crise que nos assola.

Diz agora que só é possível ultrapassar a crise, empobrecendo.

Logo, só é possível deixar de empobrecer, empobrecendo.

Pois...

S. Martinho




Foi no dia de S. Martinho.

Mais valia que tivessem ido à adega provar o vinho (e ficado por lá a curá-la).

É hábito dizer-se que o Veräo de S. Martinho  são três dias e mais um bocadinho, mas estes gajos até com isso acabaram.

Chove.

E o fim da borrasca adivinha-se longínquo.

Estes gajos não partilham a sua capa...

Querem é levar-nos a camisa.


domingo, 6 de novembro de 2011

Help Desk

Upgrade



Chegou-me, por via electrónica, claro, um upgrade dos ditados populares, que reencaminho.

01. A pressa é inimiga da ligação.

02. Amigos, amigos, passwords à parte.

03. Antes só, do que em chats aborrecidos.

04. A ficheiro grátis não se olha o formato.

05. Diz-me que chat frequentas e dir-te-ei quem és.

06. Para bom fornecedor uma password basta.

07. Não adianta chorar sobre ficheiro apagado.

08. Em briga de namorados virtuais não se mete o mouse.

09. Em terra off-line, quem tem um 486 é rei.

10. Hacker que ladra, não morde.

11. Mais vale um ficheiro no HD do que dois a descarregar.

12. Rato sujo limpa-se em casa.

13. Melhor prevenir do que formatar.

14. O barato sai caro. E lento.

15. Quando a esmola é muita, o santo desconfia que tem um vírus anexado.

16. Quando um não quer, dois não teclam.

17. Quem ama um 486, Pentium 5 lhe parece.

18. Quem clica os seus males multiplica.

19. Quem com vírus infecta, com vírus será infectado.

20. Quem envia o que quer, recebe o que não quer.

21. Quem não tem banda larga, caça com modem.

22. Quem nunca errou, que clique na primeira tecla.

23. Quem semeia e-mails, colhe spams.

24. Quem tem dedo vai a Roma.com.

25. Um é pouco, dois é bom, três é chat ou lista virtual.

26. Vão-se os ficheiros, ficam os back-ups.

27. Diz-me que computador tens e dir-te-ei quem és.

28. Há dois tipos de pessoas na informática. Os que perderam o HD e os que ainda vão perder...

29. Uma impressora disse para outra: Essa folha é tua ou é impressão minha.

30. Aluno de informática não copia, faz backup.

31. O problema do computador é o USB (Utilizador Super Burro).

32. Na informática nada se perde, nada se cria. Tudo se copia... e depois se cola.

Pedaço De Céu


Mais uma.

Do mesmo sítio.


Atão Não?

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

What's New PussyCrato?



Após uns dias de ausência, chegou-me a notícia de uma putativa entrevista de um suposto Ministro... da Educação... de Portugal...

Fui ver.

Era mentira.

Ainda não há... Ministro... da Educação... em Portugal.

Deve ser da crise...

Devem ter cortado nos ministros.

Ainda dizem que a crise não chega a todos.

Ignorantes.


sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Agarrem-Me Senão Eu Vou-Me A Ele




À luta a sério?!...

Ah...

Bem me parecia que até agora isto tinha sido uma brincadeira.

De muito mau gosto.

Então agora já não é atacado pela nostalgia de uma boa negociação?

Aborreceu-se dos acordos?

E dos entendimentos?

E dos memorandos?


terça-feira, 25 de outubro de 2011

O Gestor



Espero que não usem gravata, senão a Cristas ainda se aborrece.

Por sua vez, os desempregados gostavam mesmo era de um emprego.

Nem que fosse como gestor de carreira.